segunda-feira, outubro 23, 2006

Fahrenheit

Wooha! Finalmente consegui jogar a versão européia de Fahrenheit, conhecido por aqui como Indigo Prophecy. Esse jogo é fantástico - ele te coloca, literalmente, dentro de um filme. Você controla três personagens cujos destinos se cruzam quando um assassinato de características estranhas é cometido por um deles. Os outros dois se envolvem por serem policiais.

O enredo é fantástico, o jogo é muito mais do que apenas diversão. Diferente do que vemos por aí, em Fahrenheit você faz parte da narrativa e interage com ela, decidindo o que e como fazer, o que dizer, controlar sua tensão... Não é como na maioria dos jogos onde você tem a ação, cut-scene (filmes para contar a história), ação, cut-scene... Você faz parte do enredo e realmente participa do que é contado.

A desenvolvedora é a Quantic Dreams, a mesma que fez o exótico Omikron: The Nomad Soul - mais conhecido como "o jogo do David Bowie". Como Fahrenheit, Omikron era um game muito à frente de seu tempo, envolvendo muitos modos de jogo e total liberdade de ação.

Por falar em "estar à frente do tempo", em Fahrenheit você tem a chance de fazer através de um controle analógico movimentos que tentam simular a realidade. Mais ou menos como o Wii, só que SEM a sensibilidade e captação de movimentos. É uma tentativa de tentar deixar o jogo mais interativo, acabando com os fatídicos apertar de botões.

A versão européia não tem censura, dá até pra ver pixels transando... Tem até um nu frontal! +_+

Fahrenheit é jogo para poucos. É muito diferente do que o público casual e average costuma ver. Exatamente por isso, vendeu pouco - a exemplo de Omikron. Ele tem o necessário para chamar atenção: violência, sangue e sexo. Mas é um jogo murcho em termos de ação, frustrando aqueles que querem apenas matar e matar, sem ligar para o enredo.

3 comentários:

panpan disse...

=*******************



Arrasooooooooooo



bjhuss pra tiii

Arraso disse...

COEH

pra você só dou um abraço

heeee

Renan disse...

Eu já joguei esse jogo. Curti pacas.